‘Sindicatos à todo vapor…só esqueceram de falar com a base.’ ou ‘Declarando guerras sem consultar quem representa.’

Posted: February 2, 2016 in Uncategorized

image

image

image

Comments
  1. David G. O. Santos says:

    Lutar contra a privatização e contra a precarização do trabalho é bandeira histórica dos trabalhadores do setor elétrico, constando inclusive na maioria dos estatutos dos sindicatos.
    A abertura de capital de Furnas é sim ameaça de privatização da empresa.
    Consultar à base se a favor ou contra a privatização? Isso é descabido!

    • PilCrow says:

      A Eletrobras tem capital aberto, a Petrobras tem capital aberto. Se foi bem feito ou não, ou se foi mal utilizado, não é a questão. A questão é que no caso delas ninguém cogitou ou cogita hoje em dia falar em “privatização” e elas estão aí até hoje aí, da mesma forma, sem nenhum comentário sobre serem privatizadas, visto que continuam com suas metas de “bem público”.
      É preciso sim ser feita uma analise de todos os pontos, sem influência política e com o que pode trazer de bom ou ruim para os trabalhadores, que são os representados pelo sindicato, não os interesses de partidos. E após isso, trazer as informações para a base.
      O que não pode é se utilizar “bandeiras históricas” como pano de fundo para evitar vir a base e debater sobre o que está acontecendo, ninguém falou em consultar se a base é a favor ou contra a privatização, pois o assunto é mais complexo que isso e os sindicatos insistem em um raciocínio bipolarizado para fugir do debate. Exatamente esse tipo de mentalidade que você descreveu que afasta cada vez mais a base de quem deveria representá-los.

  2. David G. O. Santos says:

    Há centenas de empresas privadas do setor elétrico, que nem precisa de concurso, é só mandar o curriculum.
    Lutaremos sempre por uma Furnas pública, estatal e de capital fechado.

    • PilCrow says:

      Sim, sempre por uma Furnas visando o bem público e estatal!

      Eletrobras tem o capital aberto, e é de controle estatal.
      Petrobras tem o capital aberto, e é de controle estatal.
      É necessário apenas não confundir as informações.

      O que não deveria é se utilizar “bandeiras históricas” como pano de fundo para evitar vir a base e debater sobre o que está acontecendo, ninguém falou em consultar se a base é a favor ou contra a privatização, pois o assunto é mais complexo que isso e os sindicatos insistem em um raciocínio bipolarizado para fugir do debate. Exatamente esse tipo de mentalidade que você descreveu que afasta cada vez mais a base de quem deveria representá-los.

  3. David G. O. Santos says:

    O modelo é de Holding de capital aberto e controladas de capital fechado.
    Esse semana o Dieese está finalizando um estudo das empresas que abriram o capital no viés privatista (caso de Furnas) e em curtíssimo prazo foram privatizadas.

    • PilCrow says:

      Interessante notar que agora o governo eleito sob a propaganda e promessa de empresas protegidas, se tornou um governo de “viés privatista”.
      O DIEESE deveria analisar o caso sem viés algum, sem influência política alguma. Deveria analisar os benefícios e malefícios para o trabalhador. E se houver necessidade e aprovação de abertura de capital com as mesmas características que a Eletrobras já o é, que se mude o “modelo”, pois se for bom e trouxer segurança e qualidade para Furnas e seus trabalhadores ter capital aberto como a Eletrobras e Petrobras, teremos sim uma Holding de capital aberto e “subsidiárias” de capital também aberto. O que for melhor para o trabalhador e empresa… pois o modelo trabalha para o bem da empresa e não o contrário… se necessário, muda-se o modelo.
      Vamos aguardar a análise do DIEESE e então esperasse, como manda o “figurino” que os sindicatos procurem suas bases para analisar esses resultados e tomar posicionamento.

  4. David G. O. Santos says:

    Sou sindicalista e uns dos pontos principais de campanha eleitoral de nosso sindicato no ano passado foi de lutar contra a privatização, apenas reafirmando o que já consta em nosso estatuto.
    Inclusive somos contra qualquer clube de investimentos baseados no “viés privatista”.

    • PilCrow says:

      Como dito antes, não houve nenhuma discordância em relação a isso, repetir é só se apoiar na “bandeira histórica” para evitar falar sobre os assuntos em pauta com a base trabalhadora. Ninguém falou ser a favor de privatização, viés privatista ou clube de investimentos. Isso inclusive é também motivo de críticas.
      O mantra pode ser repetido quantas vezes for que não exime o sindicato de obrigatoriamente consultar sua base (também no estatuto) e debater direcionamentos e interesses da base e não de partidos ou política.
      O sindicalista tem que representar e consultar a base.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s