Assembléia Sintergia-RJ realizada na segunda-feira (11/04/2016)

Posted: April 15, 2016 in Uncategorized

Informações da assembléia de segunda feira.  Fonte: Internet. Até o momento não foi liberado informe.

Foram apreciados ACT Nacional, Específico e pendências.

O salão do auditório virou “salinha”​…já era pequeno, mas o sindicato cortou pela metade. Seria uma regressão e abandono? Questionem.

Mesmo pela metade, o auditório esteve vazio. Realmente não se tratava de uma assembléia de grande importância, mas quando o sindicato desaparece , qualquer reunião se torna vital, portanto, trabalhadores, precisamos fazer a nossa parte, cobrar pendências, cobrar satisfação.

Não era só a sala que estava pela metade mas também o sindicato, os rostos eram os mesmos de sempre, que optam (ou são obrigados?!) a se expor…onde estariam os outros e porque continuam agindo apenas nos bastidores? 

Alguns dos assuntos que foram tratados:

 

SEPARAÇÃO DA BASE RIO –

​Questionou-se o porquê de mais uma vez a Base Rio ser rachada por conveniência negocial do Sintergia. 

​A resposta foi em relação aquela assembléia, que por se tratar da pauta específica dispensaria a necessidade de toda base, mas que a negociação NACIONAL seria feita pela Base RJ em conjunto. Os trabalhadores fizeram referência ​sobre não ser massa de manobra e que não aceitariam aglutinação por coveniência, seja do sindicato ou seja por qualquer empresa. Os trabalhadores caminharão por decisão das assembléias, pois as mesmas são soberanas

HORA E LOCAL DE ASSEMBLEIA – Houveram críticas em relação a falta de antecedência e divulgação da assembleia, algo altamente prejudicial e que desagrega os trabalhadores, se a intensão do sindicato é agregar, deveria caminhar na outra direção. Também foi criticada a distância, visto que como foi informada como reunião específica, não deveria ter sido feito distante da empresa, mais um ponto desagregador tomado pelo sindicato. Foi sugerido que nessas ocasiões se utilize a FRG ou algum outro local próximo.

 

PLR – Os trabalhadores exigiriam mais informações sobre as reuniões da PLR, que fossem feitos mais boletins e informes sobre o assunto. O sindicato informou que Furnas atingiu sua meta operacional e do EBTIDA, o que deve garantir 1,5 folhas de PLR e que qualquer coisa, além disso, tem que ser negociada no que tange a lucratividade da Holding​, a forma como isso está será avaliado ainda está em negociação, numa tentativa de uma regra mais justa para o trabalhador.​

​Nessa quinta (14/04/2016), a “comissão paritária da PLR” reun​iu-se com as Relações Sindicais da Eletrobras. Os trabalhadores presentes pontuaram que defendem a aplicação das premissas propostas pelo TST e aprovadas em Assembleia​.​

 
Reunião com o novo ​Diretor de Administraçã – ​O sindicato informou que em 13/04 a InterSindical Furnas teria uma reunião com o novo D​A. Entre os pontos propostos pelos presentes​ para serem levados à reunião, estão questões importantes​ as quais não conseguimos avanço e estamos aguardando informes sobre essa reunião. Entre eles estão:

 

* Pesquisa de Clima: Várias empresas do grupo já divulgaram seus resultados e Furnas ainda não o fez. A mesa disse desconhecer a informação;

* Início da Avaliação/SGD: Da mesma forma, as empresas de Geração e Transmissão do Grupo Eletrobrás já avançaram na Avaliação/SGD e Furnas está atrasada como em anos anteriores e que isso prejudica os trabalhadores em processo de mobilidade (que por sinal também está parado). A mesa disse que vai cobrar, mas que a aplicação do SAME no último mérito atrasou o novo SGD;

* Programa de Aceleração de Carreira (PAC): Foi pontuado mais uma vez pelos presentes sobre o PAC/PACAR implementado em outras empresas do grupo (Holding, CHESF, Eletronuclear) para os trabalhadores. Questionou-se o porquê de isso ser um mito em Furnas. A mesa ficou de avançar o tema na negociação de pauta específica e no SGD e​ novamente demonstrou desconhecimento dos processos implementados em outras empresas. Também foi exigido pelos presen​tes a adequação do processo, para que seja executado com os mesmos procedimentos e público alvo constante nas empresas que já o executaram, citando principalmente a Eletrobras, que já realizou dois processos relacionados ao assunto e está se encaminhando para o terceiro.

* Diárias de viagem: ​Foi reiterado um problema antigo de Furnas: o congelamento das diárias de viagem desde 2011 e o deficit natural em relação às outras empresas do Grupo. A mesa disse haver um estudo em andamento para reajuste das diárias, os trabalhadores pontuaram que o início desse estudo foi anunciado há quase seis meses e que nenhuma atualização ou cronograma foi referendado. A mesa incluiu o tema na pauta de discussão com a DA;

* ACT de Banco de Horas: É sabido que os trabalhadores de Furnas têm diversos problemas com o Banco de Horas, desde a falta de comunicação entre os 3 Bancos, passando pela necessidade maior de códigos, culminando no fato de o BH ainda ser unilateral, não tendo sido aprovado em Assembleia. No momento, temos propostas de reavaliação e readequação do BH para que cheguemos a um denominador comum e possamos submetê-los às bases de Furnas em Assembleia (como a Eletronorte vem fazendo agora). A mesa disse que a discussão segue estagnada e que por contas das mudanças na DA, não foi possível avançar no assunto com o RH e que retomarão o assunto em breve;

 

PAUTA ESPECÍFICA – Foi aprovada ressalvando os itens J e K da cláusula 48: “reunião de feedback” e reescrevendo que o referido feedback que muitas vezes não acontece é o do MÉRITO e não o do SGD. Cobrou-se em pauta uma reunião de feedback do gestor sempre após a distribuição do mérito; Programa de Aceleração de Carreira foi colocada a necessidade de Furnas igualar pelo menos a quantidade de PACs feitas pela Holding e atendendo aos níveis 1 e 2 de complexidade; A mesa disse que a discussão da pauta específica deve ocorrer em paralelo com a da Pauta Nacional​.

 

PAUTA NACIONAL – A estratégia do CNE, de acordo com a mesa, é de discutir o ACT Nacional em paralelo com a PLR, já que esta precede de um acordo no TST. E que nesse momento turbulento, eles decidiram priorizar algumas cláusulas classificadas por eles como estratégicas como reajuste salarial, garantia de emprego, reajuste de ticket e manutenção dos benefícios.
​Foi alterada a Clausula 73 que fala de Adicional de Tele Comando e Assistência que restringiam para Subestações/Instalações mudando para Subestações, Usinas, Centros de Operação e demais instalações de Telecontrole. De resto, a pauta nacional foi aprovada.

 

A quantidade de demandas que não saem do lugar todos os anos é enorme e continuam relegadas ao esquecimento. Não podemos usar o momento turbulento que o país atravessa para justificar todo e qualquer tipo de estagnação, pois todo ano é trazido um motivo diferente para evitar uma evolução no direito dos trabalhadores, faz parte da técnica de negociação da empresa e não devemos esmorecer. Nossa referência deve ser de outras empresas que avançam nos seus anseios específicos apesar de tudo, porque os seus dirigentes sindicais seguem atentos.  É necessário também que os trabalhadores se façam presentes nas oportunidades, como assembleias e plenárias, para que o Sindicato sinta interesse dos trabalhadores e pressionado a seguir os anseios da base.​

image

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s